Don’t photoshop my heart #14

 

É impossível não acharmos que estamos fazendo a coisa errada com o nosso coração quando chegam os domingos de ressaca ou as noites de chuva, e você sabe que seriam horas as quais você mais gostaria de um cobertor humano. Você vira de um lado para o outro, esbarra com o celular ou com as cobertas que precisam ser lavadas e se pega olhando para o teto, que parece mostrar mais do que deveria. As palavras omitidas, as conversas que só aconteceram dentro da sua cabeça ou as batatas fritas que você se imaginou dividindo. Onde está o celular mesmo?

Don’t Photoshop My Heart #11

Não é realmente nenhuma novidade a minha incapacidade de conseguir lidar bem com toda a situação que está rolando. Não sei se fiz o certo, mas certamente o fiz. Acho que foi a decisão mais “coração” que tomei nos últimos tempos, e põe tempo nisso, its not being easy. É meio louco, e sinceramente não consigo por em palavras.

A mixtape tem uma vibe meio misticismo, e é sobre crenças. Quero acreditar que tem alguma coisa boa pra acontecer, e me seguro nisso. O título da capa da mixtape já foi “Um pedaço de todas as coisas boas do mundo”, mas agora eu só consigo olhar pra essa foto e pensar no quanto eu quero mudar. Me mudar. Se você tem um grande amor na sua vida, ou um amor baixinho, realmente não importa, aproveite. Aproveite.

The Do – Slippery Slope
Florence and the Machine – Heartlines
Black Mountain – Wucan
Of Montreal – Bat Macumba (Cover de “Os Mutantes)
Cat’s Eyes – Over You
Kate Nash – Mansion Son
Lykke Li – Jerome
Massive Attack – Paradise Circus
Black Black Hills – The Celebration
Warpaint – Elephant
Air – African Velvet

Pra ouvir: http://tinysong.com/p/558ec

(Se alguém quiser alguma faixa, é só dar o toque que envio… )

Oe oe oe, eu sou mais indie que você!

Lembro dos áureos tempos da música, lá por 2005 ou algo do tipo, onde eu escutava muito funk (?) eletrônico, haha, e o Bonde das Impostora cantava sobre essa cena indie que nascia, e sobre os hypes da internet na época. Um desses hypes (ou fazedores de Hype) da época, o Lúcio Ribeiro, grande crítico/jornalista/produtor musical que sempre com seus ouvidos abertos para coisas novas que estavam rolando, apontava o que ia fazer sucesso ou não. Ainda leio tudo que ele escreve, e fala sobre o mundo da música.

A dica de hoje veio do blog dele, o Popload. Anthony Lee é um desses caras que faz aqueles vídeos ultra bem sacados com uma galera oriental da dança. Recentemente eles soltaram alguns vídeos de músicas do momento, como essa do Gotye:

Vem pra criação você também! #12 – EdiçãoRN #01 | Ilustras do @oiaure @frngrr, música do @talmaegadelha, animação no paint

[música pro cantinho do ouvido + pra ouvir junto ou sozinho  = o coração de Talma & Gadelha]

[ um pouco de chico, cícero e todos nós + colaboratividade = universo particular ilustrado da @frngrr]

[monstros, heróis, vilões + ilustras de coração = Barato Total do @oiaure]

[paint + regionalismo lindo e puro = Animações da Galera Greiosa, da turma de “Os Bonnies”]

Vem pra criação você também! #11 | Cartazes espertos, banda indie, piscina inusitada, e formigas como você nunca viu!

[amor por são paulo + design gráfico = os posters e produtos lindos da Leite-com]

[música boa + nem o Lúcio Ribeiro conhecia = som psicodélico e indie do Toto Vivian]

[muito calor + truque legal = caçambas de verão]

[fotografias em macro + MUITA criatividade = o dia dia fantástico das formigas, pelo Andrey Pavlov]

P.s.: Ai que saudades da Augusta! =(