Carta não-enviada por: Autor anônimo, 19 anos.

Wow. Essa é daquelas cartas que quando você termina de ler, sente um pouquinho de frio sabe? E é bem isso. Outono tá chegando. Verão se foi, e alguns amores restaram… outros não. Mas fica sempre aquela esperançazinha de que o sol volte. E volta.

Para ler ouvindo: Ellie Goulding – Under the Sheets

Fim de tarde. Nunca contemplei o sol tão solitariamente como agora. Percebo os intensos raios que ele emana penetrando em meu frágil corpo. Apenas mais um dia. Um dia daqueles em que você levanta da cama esperando ter o conforto de uma companhia ao menos para um bom dia ou talvez um sorriso e quando percebe… Você está só. Solidão. Estou aqui, no nosso lugar favorito, esperando talvez o seu retorno. Essa é apenas mais uma vez. A última. Sempre estive aqui, sempre fui o que você dizia precisar, bem como você ainda é o que preciso. Minhas manhãs tornaram-se mais frias, o dia veste-se de roxo cada vez que percebo sua ausência, o céu já não é mais o mesmo, as estrelas brilham sem intensidade… Estão distantes. Lembro do tempo em que o calor do seu sorriso era suficiente para desfazer o inverno que consumia meu coração. Não saem da minha mente as palavras que você costumava dizer, a sua expressão de surpresa, felicidade… Agora estou aqui, contemplando o mar, recebendo os resquícios de calor do dia, esperando seu retorno neste que é meu último dia. Por tempos estou a esperar seu retorno, mas você parece distante, muniu-se de uma frieza incalculável. Fico feliz por ter tido sua companhia por segundos, que seja. Meu coração parece querer explodir como das vezes em que você esteve comigo, estou a perder o controle, porém nada posso fazer. A cada dia você torna-se algo inatingível por mim, distante, como eu estou do sol agora. Ah como eu queria poder ter você aqui, neste anoitecer. O dia está chegando ao fim, assim como minhas esperanças de ver você novamente, é como se o outono sorrateiro invadisse o espaço da primavera levando embora toda sua alegria e esperança. Minha única salvação agora seria você, que distante de mim se faz. As horas passam. Sinto que é chegado o momento. As nuvens exibem seus longos e sombrios vestidos negros, o sol despede-se com um último adeus e um frio mortal passa a tomar conta do meu corpo. Apenas queria que soubesse… Comigo levarei nossos ínfimos momentos felizes, nossos minúsculos e intensos sorrisos, as palavras de amor que recitamos, lições que aprendemos, nossas trocas de olhares, nossos obscuros desejos, nossos beijos. Enfim, levo também nosso amor… Cultivado apenas por mim durante um longo tempo. Só queria que soubesse… Te amarei por toda eternidade.

*Fotografia também anônima desse albúm do Flickr: http://www.flickr.com/photos/kokariko/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s